.

.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Envelope


Guarde todas as memórias.
Um dia, uma tarde.
O sorriso no escuro.

Os poucos e intensos
dias felizes.

Feche os olhos, é 27.

Coloque no envelope,
dê um laço e me guarde
para sempre.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Depois dos espinhos



Rosas.
Brancas, vermelhas e amarelas. 
E nesse momento todas as cores.

Livraste de todo mal, 
para receber o bem.

O bem que se faz,
que se quer,
que se deixa,
manifesta e assume.

Cuida, rega e
corta espinhos.

sábado, 7 de novembro de 2015

Colorindo o 7



07,17,27.
Sete vidas,
Ah que sorte !

7. Número indivisível,
e na contramão da lógica,
nossos setes se encontraram.
77, um par.

Quando tudo era 7,
você chega para colorir,
somar e dividir,
toda beleza de ser par.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Espelho reflexo


Observando.
Espelho.
O reflexo já não é mais dela.

Quem é ela?
A mulher que sorri.

As roupas já não são as mesmas,
Os olhos, a postura.
Mudou-se tudo.

Ela.
Não se reconhece mais pelo passado,
És agora,
O presente que o passado amassou.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

O dia, Abraço, Fim.


O dia que tudo ficou no lugar.
A mensagem secreta,
o coração a explodir.

Abraço.

De corpo, alma e coração.
Parou o tempo, que se foi.
e virou lembrança.
Que de vez em nunca, revive.

Reflete e entristece.
Vejo o que não vive.
O sorriso amarelo,
A felicidade instantânea.

Fosco.
Compelido,
Vazio.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Meio Segundo


E deu vontade de falar,
de contar os sonhos
e realidades.

Mas veio o pensamento,
antecipou a ação.
Calada.

Estender as mãos e sorrir.
Vazio.

Se perdeu,
a vontade e o estar.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

No portão


Sentada.
Ela passa, olha o telefone e sorri.
Enquanto ele está parado
olhando pra ela.

De um jeito sem jeito se
cumprimentam.
Ele arrumadinho,
ela nervosa.

O amor acontecendo ali,
Ele estende a mão,
ela fica vermelha.

Sentada no portão.
o amor ali perto.
Tão perto para acreditar
que um dia me tocará.

Mas ele passa.
Se espalha nos corações
e não para.

Só tira sorrisos,
mas não estende a mão,
Não chega.

Sentada no portão.