.

.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

General de saia

Chega soldados !
Hora de bater continência.
Fala, fala e não diz nada.
Com sua arma invisível de tinta.

Ó Deus protegei-nos !
General de saia, inconscistente.

Tão competente que tropeça em si,
Ah arma invisível,
Se não ela , General de saia não há.

Ó Deus livrai-nos !
Dias contados,
Com sabor de nunca mais.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

De onde vem ?

E no meio do breu
Luz acesa sem fio.

De onde vem ?
Acendeu e escureceu.

Não apaga,
É como reflexo,
De dentro que explode.

De onde vem ?
Para onde vai ?
Enquanto houver Luz...