.

.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Buraco cheio do nada

Profundidade infinita
Debruça sobre o mar
turbulento.

Jorra alto, espalhando ao vento
O que há de cheio.
Inundando o peito
de coisa nenhuma.

Tudo ao mesmo tempo.
Altura, largura, expessura
Tamanhos para se enquadrar.

Quadro com pintura,
Arte na moldura.
Beleza provocando brandura.

Parede feito buraco,
Quadro cheio,
Dimensões nascendo arte.