.

.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Acorrentar para voar e voltar ( Conto Reformulado e participante do 9º Unicult - Unimep)


Um pássaro em seu ninho desde o nascimento tem uma argola em seu pescoço e uma corrente em suas patas, e isso é muito bonito.
Através de uma pequena fresta em seu refúgio enxerga o mundo que há lá fora, e decide buscar o desconhecido, ah pequeno pássaro inocente.
A argola e a corrente servem para prendê-lo no ninho, para que não fuja, mas os dias passam e o pequeno chega até a porta do ninho onde é advertido a voltar e ficar quieto.
Revoltado com a situação quer aprender a voar sozinho. Novamente chega até a porta, olha para baixo e se depara com um abismo. Coloca uma pata para fora, logo uma asa, sente a brisa fresca que o contagia, e assim dá seu primeiro salto.
Salto esse que não fosse à corrente em suas patas, não teria sobrevivido. Contudo encontrou seu apoio e assim poderia tentar mais vezes, pois a corrente não iria permitir que ele caísse no abismo.
Pode então aos poucos iniciar seus vôos, com dificuldades, muitas vezes com a corrente o segurando, puxando de volta, mas não desistiu.
O pequeno pássaro queria arriscar mais, e a corrente em suas patas começou a incomodar, assim teve um aumento para pudesse ousar mais, e isso por  certo tempo foi o suficiente para satisfazê-lo.
Porém sua busca tinha apenas começado e estar somente na sua árvore era muito pouco, então sua corrente novamente ganhou ajuste e o pequeno pássaro aprendeu a voar.
Caiu por diversas vezes, machucou-se, pois cada dia a corrente ficava mais frouxa, então o pequeno pássaro começou a crescer.
De galho em árvore conheceu outros pássaros e seus limites, suas correntes e ninhos, alguns já eram livres e perdidos, outros não saiam da porta do ninho, mas ele nunca se perdeu no caminho.
Aprendeu a voar...
E passou a não mais precisar da argola e corrente, pois aprendeu a voltar.